sexta-feira, 2 de março de 2012

Spoilers!

ATENÇÃO: esse post contém SPOILERS do livro Para Sempre 

A resenha começa com um resumo do livro. Normal, certo?

Certo, se não fosse um "resuminho" de 9 parágrafos e 3 citações.
Um resuminho que termina assim:



Show, pessoa, conta o fim do livro, fica bem legal assim. E super opinião!"Recomendo e agradeço à editor"...

Ah, e o que me mata são comentários como esse:

Curiosidade? Mas se ela acabou de contar tudinho que acontece no livro, parte por parte?
E outra, 90% dos comentários na resenha incluiam:
1. a URL do blog de quem comentou.
2. "Adorei sua visita e estou retribuindo" ou "passa no meu também".

24 comentários:

  1. Eu não leio os resumos dos livros, nem mesmo nos blogs das minhas amigas. E nem faço isso nas minhas resenhas, porque acho desnecessário. Gente, pra quê contar isso tudo? O livro já é tão fininho, o importante, nesse caso, é dizer que a mulher sofreu um acidente e não se lembrava mais do marido, pronto.

    ResponderExcluir
  2. Eu geralmente não faço resumos e nos últimos meses tenho até relutado em por uma sinopse, ponho só uma linha com um link para o Skoob. Meus posts sobre livros são ligeiramente grandes, aí se eu ainda por sinopse, resumo e etc fica gigante.

    Pô, a menina contou o livro todo mesmo, foi um resumo rico em detalhes rs

    Quase detesto esse tipo de comentário. Sei lá, as pessoas pensam que somos bobos. Geralmente vem cheio de risinhos ou "Adorei seu blog", "Amei o post" e blábláblá. Tá na cara que a pessoa nem leu. O pior de tudo é que o dono do blog também deve fazer esse tipo de "visita", o outro retribui e ficam nesses comentários falsos pra sempre.

    Recebo em média 5 comentários por post, pode ser pouco mas sei que cada um deles leu o texto de verdade, está comentando de verdade e não precisei ir atrás de ninguém divulgar post algum. Isso não tem preço.

    ResponderExcluir
  3. Acho muito chato quando uma resenha conta pontos importantes da história. Faço sempre um resumo do livro, mas tenho o cuidado de não contar nada além do que já está na contracapa ou orelha do livro para não sacanear os leitores do blog.

    ResponderExcluir
  4. Eu não faço resumo porque acho ler um saco, só deixa a resenha gigante, parece coisa de vestibular, eu não tô desesperada pra saber do principal pra fazer prova. Aliás nem sinopse eu ponho, isso dá pra encontrar em qualquer lugar. Escrevo o que acho, digo uma ou outra informação que acho relevante pra embasar o meu argumento e se achar que devo coloco um quote no final. E se sentir necessidade de dar spoiler eu deixo pro final da resenha e coloco aviso bem grande antes.
    O povo precisa se decidir, quer resumir, quer contar ou quer resenhar?

    ResponderExcluir
  5. Não vejo problema. Ela avisou antes que teria spoiler, então lê quem quer.
    Esse blog está se desviando do objetivo.

    ResponderExcluir
  6.  Desculpe...falei merd@. rsrs
    O aviso de spoiler foi do VL. kkkk
    Bem...aí complica, realmente soltar spoiler sem avisar é péssimo.
    Bjk

    ResponderExcluir
  7. Spoiler de história real que aconteceu há dez anos? Oi?Então não recomendo a leitura de Apátrida pois tem muitos spoilers do holocausto.

    Menos, gente.

    ResponderExcluir
  8. Não é porque um livro fala sobre o holocausto que toda a história do mesmo deva ser contada integralmente. Eu sei o que aconteceu no holocausto, por outro lado não li Apátrida e caso pretendesse ler iria ficar com muita raiva caso alguém tivesse feito o desserviço público de resumir toda a história como o que foi feito no referido post acima. Eu posso muito bem resenhar um livro que todos sabem que a protagonista morre (porque a história é uma biografia da sua vida e sobre os acontecimentos que acarretaram sua morte) e mesmo assim não entregar as nuances da narrativa do autor, os detalhes da leitura que é melhor o leitor descobrir por sim mesmo e não ser usurpado desse prazer. Se todo mundo já sabe o fim (seja no caso da morte da mulher do livro que citei, ou no caso do holocausto citado pelo colega acima) porque entregar o processo para se chegar a ele também? 

    Resuma, conte a história, faça o que muitos chamam de resenha-resumo e assuma que é isso que você faz, mas não tenha o desplante de chamar isso de resenha de opinião só porque no final você escreve que recomenda o livro porque isso o texto citado acima não é. Os professores de produção textual agradecem, os ursos panda também!

    1. DefiniçõesResenha-resumo:     É um texto que se limita a resumir o conteúdo de um livro, de um capítulo, de um filme, de uma peça de teatro ou de um espetáculo, sem qualquer crítica ou julgamento de valor. Trata-se de um texto informativo, pois o objetivo principal é informar o leitor.Resenha-crítica:     É um texto que, além de resumir o objeto, faz uma avaliação sobre ele, uma crítica, apontando os aspectos positivos e negativos. Trata-se, portanto, de um texto de informação e de opinião, também denominado de recensão crítica. 
    (Fonte: http://www.pucrs.br/gpt/resenha.php)

    ResponderExcluir
  9. Pessoas que acham que Para Sempre é um livro ficcional: meu desprezo.

    ResponderExcluir
  10. vergonhaliteraria4 de março de 2012 20:43

    Ninguém é obrigado a saber que o livro é baseado em uma história real. Aliás, isso seria obrigação do resenhista informar...
    E só por ser baseado em história real que precisa-se informar pedaço por pedaço como foi descrito no livro.
    Abraço ;)

    ResponderExcluir
  11. Mas foi exatamente o que eu falei. Acho um absurdo a pessoa ler o livro e chegar na resenha falar que "...as cenas do livro são tão reais..." chega a ser ridículo...

    ResponderExcluir
  12. vergonhaliteraria5 de março de 2012 13:02

    Desculpa! Achei que estava seguindo a lógica da outra pessoa ali que disse que por ser história real não existiam spoilers ;)

    ResponderExcluir
  13. vergonhaliteraria5 de março de 2012 13:03

    Acontece ;)
    Coloquei o aviso de spoiler justamente porque o resenhista não o fez.

    ResponderExcluir
  14. Um blog sensacionalista! Mas... só tem seis membros ainda?

    ResponderExcluir
  15. vergonhaliteraria6 de março de 2012 13:55

    Botei o "Seguidores" hoje haha.  Mas tivemos mais de 4 mil acessos nos últimos 30 dias.

    ResponderExcluir
  16.  
    Difamação
    Art. 139 - Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação:
    Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa.

    ResponderExcluir
  17. vergonhaliteraria6 de março de 2012 14:08

    Direto da tua fonte:


    Imputar algo desonroso a outrem, mas não qualquer fato inconveniente, mas fato efetivamente ofensivo à reputação.


    E


    Prevista no art. 142, II, esta imunidade está relacionada com a liberdade de imprensa, tornando penalmente irrelevantes as ofensas feitas em sede de crítica especializada.Opera dentro desta imunidade o crítico que insulta a atuação de um atleta, ou que acusa determinado ator a estar recebendo dinheiro sem atuar devidamente, ou que afirma que um chef de cozinha perdeu sua integridade, etc.

    -- Não que a gente seja "sede de crítica especializada" mas, também, não é ofensa à reputaçào de ninguém tirar um print(de um blog público) e deixar os outros tomarem suas decisões --

    ResponderExcluir
  18. Caceres, procurador AGU-MS6 de março de 2012 14:13

    Antes de se fazer críticas destrutivas à imagem das pessoas, é bom procurar saber quanto a identidade de quem está sendo exposto, e o mais importante, sempre que for fazer algo deste tipo, se identificar, pois se não sabe, isso é CRIME contra à pessoa, lei penal agregada à lei federal. e pelo que vejo, tem nomes de Pessoas Jurídicas envolvidas, um processo, tanto para o autor da postagem, quanto às pessoas que estão comentando e ajudando a proliferar a DIFAMAÇÃO. Portanto, não custa nada se identificar a autoria da postagem, desde que julgue o seu conteúdo não ofensivo, em prol de uma causa que acrescente algo à sociedade, pois esconder-se atrás de palavras ofensivas, caracteriza grosseiramente o crime de DIFAMAÇÃO + INJÚRIA. Fique atento! Espertas são as pessoas bem informadas. Existem leis, acima de qualquer liberdade de expressão criminosa.

    ResponderExcluir
  19. Meu nome é João Caceres Barbosa, sou procurador Federal da AGU. 

    ResponderExcluir
  20. Olá, não é um debate! mas liberdade de imprensa seria algo autorizado como "cumprimento do dever lega" a pessoas ligadas "profissionalmente à mídia, tais como, reporter, jornalista, redator, etc, pois esses serão identificados com seus nomes em tudo que fazem ou falam. O que é muito diferente fazer matérias anônimas. Queremos seu nome e sua foto no blog, assim se tem mais "credibilidade" no que você está passando à sociedade.
    Obrigado.

    ResponderExcluir
  21. vergonhaliteraria6 de março de 2012 14:25

    Tento mostrar o mínimo da imagem da pessoa - não é a intenção identificar ninguém. Nomes e URLs são sempre ocultadas.
    Não me mostro pois sei do que são capazes e não quero ameaças contra minha vida pessoal ou profissional - que sei que ocorreriam pois há muitas pessoas da blogosfera que são agressivas e já fizeram isso com uma pessoa que acreditavam ser a autora, mas não era.
    É bom ter a opinião de alguém do ramo - é verdade. Acho realmente que não estou difamando ninguém mas, por favor, adoraria discutir o assunto. Só prefiro que seja por email, se possível.

    ResponderExcluir
  22. Então amigo procurador federal da AGU, procure nas suas leis, onde diz que para difanar alguém essa pessoa precisa ser citada, nesse blog não são citados nomes, justamente para não expor as pessoas e sim os conteúdos que postam. Como procurador o senhor deveria se preocupar mais com sites de pedofilia, com posts de preconceito de qualquer forma, posts que estimulam a violência. Ao invés de entrar em um blog que provavelmente lhe foi apontado por algum parente para falar bobagens. Não acredito que um procurador federal não tenha trabalho suficiente pra fazer e por isso fique passeando em blogs literários.

    ResponderExcluir
  23. Estou enviando um email. Obrigado.

    ResponderExcluir
  24. A teoria é muito bonita, mas o cara não precisa mostrar o rosto aqui se ele não quiser porque a internet não é regulamentada. Fora, é vedado o anonimato, mas pode-se perceber que pela internet é tudo liberado. 
    Até que haja uma regulamentação, ele pode fazer o que bem entender pra proteger a imagem de retaliação, até porque "ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer algo senão em virtude de lei" :) Constituição federal amigo, isso sim tu deveria saber.

    ResponderExcluir